domingo, 2 de junho de 2013

Método de contaminação da giardíase

Como os cistos se disseminam na natureza pelas fezes, o método de contaminação é o oral-fecal. Conhecê-lo é uma forma de tentar evitá-lo.


              Os cistos saem pelas fezes de pessoas infectadas. Ocorrendo em locais que não há saneamento básico, ou defecando perto de riachos ou cursos d'água, a água pode entrar em contato com essas fezes e se infectar. Usando essa mesma água infectada para regar alimento, podem infectá-los também. Consumindo-a e a esses alimentos, estará ingerindo o cisto do parasito que, em seu estômago, virará trofozoíto e colonizará seu intestino, causando a doença giardíase.





            Em um estudo realizado por Machado et al em 2005, descobriu-se que, mesmo que um manancial esteja poluído por fezes, o seu tratamento reduz a praticamente zero o risco de se infectar com cistos de giárdia (Tab. 1). Valendo, então, que o tratamento de esgoto é o principal procedimento na profilaxia à doença.
Porém, a profilaxia da giardíase é de difícil execução, pois depende não só do tratamento da matéria fecal e do lixo, como ainda da proteção da água potável. Mesmo nos países de boa higiene pública, são em grande número os mamíferos infectados. As reinfestações são constantes e todo o material fecal das ruas deveria ser prontamente removido, o que não se torna fácil o controle, pois limitará apenas a contaminação ambiental. Os cistos do protozoário são inativados pela maioria dos compostos de amônio quaternário, vapor e água fervente, sendo assim é essencial ferver a água antes de usá-la, pois o cloro não mata os cistos, e este é o veículo principal de contaminação pela protozooze.


Referências

PENNA G O, CARMO E H, TEIXEIRA M G, COSTA M C N, PEREIRA S N, NASCIMENTO E R M.  DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS – GUIA DE BOLSO. 8ª edição revista. MINISTÉRIO DA SAÚDE - Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília - Distrito Federal. 2010.

PESSÔA S.B. & MARTINS A. V. Parasitologia Médica. 11ª ed. Editora Googan,1982.

CARVALHO, Aldo R. COELHO, Rosa. Manual de parasitologia humana. 2° Ed. Editora Ulbra. 2005. 267 p.

Nenhum comentário:

Postar um comentário